segunda-feira, 20 de julho de 2009

Estrias: um incomodo que atinge várias pessoas

O tratamento visa melhorar o aspecto estético
estimulando a formação de tecido colágeno nas lesões


A pele se rompe, as bordas cicatrizam e pronto: a pele ganha uma marca que incomoda a todos, homens e mulheres. E, para deixar a situação pior, ainda não existe um tratamento médico ou estético para acabar totalmente com elas. A estria se forma quando a pele é excessivamente estirada, ultrapassando sua capacidade de distensão.
As estrias são lesões lineares como uma espécie de cicatriz, geralmente paralelas, que podem variar de 1 a vários centímetros de extensão. Surgem principalmente nas coxas, nádegas, abdome (gravidez) e dorso do tronco (homens), podendo ocorrer também nas pregas axilares (doenças endócrinas).
Inicialmente, as lesões são avermelhadas ou róseas evoluindo mais tarde para uma tonalidade esbranquiçada. Em pessoas de pele morena as estrias podem ser mais escuras que a pele sadia. A pele na área afetada tem consistência frouxa.

CAUSAS
De acordo com a fisioterapeuta, especialista em dermato-funcional, de uma clínica de Feira de Santana, Mônica Andrade, existem vários fatores envolvidos no aparecimento das estrias, como: fatores hormonais e predisposição genética; crescimento acelerado, que ocorre normalmente durante a adolescência; ganho de peso (“obesidade e no período gestacional, junta-se os fatores hormonais e o estiramento da pele”); efeito “sanfona”, que se caracteriza na perda e ganho de peso de forma constante; e medicamentos.
Segundo os dermatologistas, é comum o surgimento durante a puberdade em decorrência do crescimento acelerado nesta fase da vida e da elevada produção de estrógeno e progesterona. O crescimento muito rápido que ocorre nesta fase não permite que a pele se adapte ao novo contorno do corpo, fazendo com que as fibras de sustentação da pele se rompam. É o que ocorre também na gravidez. Gestantes que engordam mais quilos do que os recomendados pelos médicos podem ter estrias, sendo muito importante também a predisposição genética.
A responsabilidade pelas estrias pode ser também atribuída ao fenômeno do "engorda-emagrece", em busca da linha perfeita com dietas restritas alternadas por sessões de abusos alimentares. O que ocorre nestas situações é que ao engordar a pessoa acumula gorduras nas zonas críticas - nádegas, coxas, seios, ventre - fazendo com que as fibras de colágeno e elastina se estiquem, rompendo-se eventualmente. Quando se dá o emagrecimento, a pele já está irremediavelmente lesionada, perdendo firmeza e ficando as estrias ainda mais evidentes.
A atividade física também pode causar estrias, sobretudo os exercícios de impacto, como saltar. No caso das mulheres, segundo especialistas, estes movimentos são particularmente danosos para os seios, que devem ser protegidos por um sutiã próprio.
Os médicos alertam que nos homens, a musculação causa a hipertrofia dos músculos, podendo fazer com que a pele se estique além da sua capacidade elástica, surgindo estrias posteriormente. A vida sedentária também pode facilitar o aparecimento de estrias, pois a atividade física estimula a circulação sanguínea, que dá vida à pele.
O uso prolongado e em altas doses de corticosteróides pode levar à formação de estrias largas e violáceas como efeito colateral. Pomadas contendo corticosteróides potentes em áreas de pele fina, como virilhas e axilas, podem levar ao surgimento deste tipo de estrias.

Por Williany Brito
(Matéria publicada no Jornal Folha do Estado, no dia 19.07.2009, como manchete)

3 comentários:

Dra. kátia Ferreira disse...

Proponho a tecnica de TSR que elimina 100% as estrias. Caso deseje, pode ir na home http://www.estheticenter.com.br e clicar em mídia onde aparecerá reportagens, inclusive as que sairam na REvista Pástica & Beleza onde fala na integra sobre o tratamento que é patenteado e cientificamente comprovado.
abraços, Dra. Kátia Ferreira

EsthetiCenter disse...

Saiu a minha reportagem no Site Hiper Fashion sobre estrias!!!
Segue o link para vocês lerem.
Reportagem http://www.hiperfashion.com.br/home.cfm?pagina=noticia&id=1361&jn=1

Abraços, DRa. Kátia Ferreira
www.estheticenter.com.br

Poliana disse...

OLÁ, gostaria de saber se em campinas tem alguma clínica que utiliza esta tecnica tsr. obrigada

Postar um comentário